Quer inovar? Então saia do chuveiro!

Want to innovate? So go for it!

:: English version below ::

Por Denise Horita:

Recentemente assisti Para Roma, com Amor. Um filme leve e divertido do Woody Allen. No papel de Jerry, um produtor da indústria fonográfica aposentado, se surpreende com a voz de Giancarlo, um comum agente funerário que canta ópera maravilhosamente sempre que está tomando banho. Após ouví-lo, Jerry o convida a participar de um teste de audição em uma casa de ópera, aonde se sai muito mal e volta todo envergonhado para casa. Sem entender o porquê do seu fraco desempenho, Jerry pergunta a Giancarlo o que foi que aconteceu; Giancarlo diz que sempre teve vergonha de se expor em público e que só canta bem quando está embaixo do chuveiro, onde sabe que somente a sua esposa e filho podem ouví-lo. Por causa disso, deixa de fazer o que gosta que é cantar e contenta-se em ser um agente funerário.

Essa cena me fez pensar. Quem aqui nunca cantou sozinho no chuveiro, no carro ou em qualquer outro lugar? Eu já. Aliás, canto no carro quase todos os dias a caminho do trabalho, com os vidros bem fechados. Por que é que eu não faço isso no metrô ou enquanto ando pelas ruas? Talvez por vergonha, por saber que não canto muito bem.

Comparando isso à inovação, ao ato de inovar, vejo muitas pessoas dando tímidos passos na direção de algo que acreditam, mas que muitas vezes acabam recuando por não passarem pela aprovação de alguns. Deixam de lado os seus sonhos por causa de uma ou duas pessoas.

É impressionante como completos desconhecidos podem influenciar algumas ou muitas das atitudes de qualquer um.

E acredito que o grande vilão da história seja o medo. O medo de expor uma ideia e de ser rejeitado pela família, amigos, colegas de trabalho ou mesmo pela empresa onde trabalha. Este é um dos piores medos, pois pessoas extremamente criativas acabam se acomodando e morrendo com ideias que, se exploradas, poderiam contribuir com um mundo melhor e fazê-las mais felizes. Quando vejo isso, fico incomodada pois sei que o ser humano não nasceu para se sentir preso, com medo. Isso não é de sua natureza. Assim como o leão nasceu para ser um caçador, o ser humano nasceu para usar toda a sua criatividade, para fazer aquilo que acredita e para ser feliz.

Nunca desista dos seus sonhos

Além do medo da rejeição, há o medo do incerto. Quando se é criança, os pais e professores indicam o caminho e ensinam o que é certo e o que é errado. O problema é que, quando se é adulto, nem sempre há alguém para indicar o melhor caminho. E as chances de acertar são de apenas 50%. É por isso que, ao invés de seguirem a intuição ou aquilo que acreditam, muitas pessoas só fazem o quê tal especialista falou, mesmo que as chances de acerto sejam as mesmas. Já parou para pensar em quantas previsões do tempo furaram? Ou quantas opiniões de especialistas do mercado financeiro americano foram por água abaixo?

O que as pessoas precisam fazer é acreditar mais nelas mesmas e aceitar que mudar é bom. Assim como arriscar, errar, aprender com o erro, melhorar, errar de novo e, o mais importante: que todos têm os seus medos, todos erram e que isso faz parte da vida. E é por isso que ela é tão emocionante. Se não fossem os 50%, não teríamos motivação para viver.

E é por acreditar no potencial das pessoas que eu tenho tanto prazer em fazer o que faço. Trabalho ajudando pessoas a utilizarem todo o seu potencial para pensarem fora da caixa e de forma que estejam sempre criando algo interessante e sustentável, sem jamais deixar de lado seus princípios e valores.

Uma das partes mais gostosas do meu dia é quando realizamos entrevistas de profundidade com os usuários dos serviços ou então sessões de cocriação com grupos diversificados, onde criamos uma atmosfera leve e colocamos todos para trabalharem juntos. Algumas das regras dessas sessões: ouvir, pensar em ideias malucas, incentivar a criatividade dos colegas e cocriar em cima de suas ideias. Neste momento, crachás e cargos ficam de lado. Assim, numa mesma mesa de trabalho podem estar o presidente da empresa, o estagiário, o cliente insatisfeito e a vendedora. No começo, ficam um pouco receosos quanto à opinião dos outros, mas rapidamente deixam seus medos e preconceitos de lado e colocam a mão na massa. No final das atividades, o resultado é sempre mágico: ideias interessantíssimas que melhoram realmente o serviço e pessoas felizes por terem contribuído com essas suas ideias “malucas” e que poderiam ser consideradas ridículas em outros ambientes. É extremamente gratificante quando ouvimos: “Poxa, eu não achava que era criativo. E nem que as minhas ideias serviriam para alguma coisa. Foi legal falar delas mesmo sem acreditar no começo e ver que elas vão ajudar outras pessoas.”.

É, o ser humano realmente nasceu para criar e colaborar com algo, e se sente bem e valorizado sempre que faz isso. Por isso, a dica que fica é: acredite no seu potencial e no das pessoas ao seu redor e saiba como extraí-lo para obter os melhores resultados. Assim como fez o Cirque du Soleil, que acreditou nos saltadores de camas elásticas de quintal ao redor do mundo e deu a eles uma chance. Hoje, é simplesmente o circo mais famoso do mundo, presente em mais de 40 países, feito de artistas brilhantes que só queriam uma chance de mostrar o seu melhor, mesmo que ninguém saiba os seus nomes.

Até a próxima!

Denise

@denisehorita

 

 

Want to innovate? So go for it!

By Denise Horita:

Recently I watched “To Rome with Love”. A light  and fun movie of Woody Allen. In the role, Jerry is a retired phonograph industry producer, who is surprised by the Giancarlo’s voice, a common funeral director who sings beautifully whenever he is taking bath. After listening to him, Jerry invites him to attend an audition in his opera house, where Giancarlo performed poorly and returns home all ashamed. Without understanding why of his poor performance, Jerry asks Giancarlo what has happened. Giancarlo says he was always shy of exposing himself in public and only sings well when he is in the shower, where he knows only his wife and son can hear him. Because of this he doesn’t do what he likes, which is singing, and settled being a funeral director.

This scene made me think. Who here never sang alone in the shower, in the car or anywhere else? I did. In fact, I sing in the car almost every day on the way to work, with the windows tightly shut. Why don’t I do it in the subway or while I’m walking in the streets? Perhaps out of shame, knowing that I don’t sing very well.

Comparing this to innovation, to the act of innovating, I see many people taking timid steps toward something they believe, but they often end up retreating for not passing through the approval of a few. They put aside their dreams because of one or two people’s opinion.

It’s amazing how complete strangers can influence some or many of the attitudes of anyone.

And I believe the true villain of the story is the fear. The fear to expose an idea and being rejected by family, friends, work colleagues or even by the company where one works. This one is one of the worst fears because extremely creative people end up settling and dying  with ideas that, if exploited, could contribute to a better world and could make them happier. When I see that I got annoyed because I know the human being wasn’t born to feel trapped, afraid. That’s not his nature. As the lion was born to be a hunter, the human being was born to use all his creativity to do what he believes and to make him happy.

Never give up your dreams

Besides the fear of rejection, there is the fear of uncertainty. When we’re kids, parents and teachers show the path and teach what is right and what is wrong. The problem is, when we become adults, sometimes there isn’t always someone showing the best path. And the chances of hitting is just 50%. That’s why, instead of following intuition or what they believe, many people just do what some specialist said, even though the chances of success are the same. Have you ever stopped to think how many weather forecasts were inaccurate? Or how many opinions of US financial market specialists were dashed?

What people need to do is to believe more in themselves and accept that change is good. As well as take risk, make mistakes, learn from mistakes, improve, make mistakes again, and the most important: we all have our fears, we all make mistakes and it’s part of life. And that’s why life is so exciting. If it was not for the 50% we wouldn’t have motivation to live.

And because I believe in potential of people that I have so much pleasure in doing what I do. I work helping people to use their full potential to think outside the box and in a way they are always creating something interesting and sustainable, never putting aside their principles and values.

One of my favorite parts of the day is when we conduct in-depth interviews with services users or co-creation sessions with diversified groups, where we create an relaxing atmosphere and put everyone to work together. Some rules of these sessions are: listen, think in crazy ideas, encourage creativity of colleagues and co-create upon their ideas. At this moment name badges and positions stand aside. Thus at the same work desk may be the CEO, the intern, the unsatisfied customer and the salesperson. In the beginning they are a bit wary about the opinions of others but quickly leave their fears and prejudices aside and get their hands dirty. At the end of the activities the outcome is always magical: extremely interesting ideas that really improve the services, and happy people to have contributed with their crazy ideas that could be considered ridiculous in other environments. It’s extremely rewarding when we hear: “Gee, I never thought I was creative. And nor that my ideas would serve for something. It was cool to talk about them even without believing in the beginning and see that they will help others.”

Yes, the human being is born to create and collaborate with something, and he feels good and valued whenever he does it. So the advise is: believe in your potential and in the potential of the people around you. And know how to extract the full potential of each of them to get the best results. Just as Cirque du Soleil did, who believed in backyard trampoline jumpers around the world and gave them a chance. Today, it is simply the most famous circus in the world, present in more than 40 countries, composed by brilliant artists who just wanted a chance to show their best, even if nobody knows their names.

Until the next time!

Denise

@denisehorita

4 comments
  1. Camila Santos said:

    Obrigada Denise por esta linda reflexão.

    Concordo com você, acredito que o medo de errar e de ser julgado é tão forte e tão enraizado em nossa cultura que é complicado dividir um sonho até mesmo com as pessoas mais próximas a nós.

    Quantas vezes não verbalizamos um desejo ou iniciamos um projeto pelo medo da reprovação? Gosto muito do sábio concelho que diz “se não tentar, o não você já tem”.

    Quando tomarmos consciência de que errar é inevitável e que é também parte inerente do crescimento, seremos capazes de colocar em prática todas as “ideias malucas” que vão revolucionar nosso mundo e em fim “sair do chuveiro”.

  2. admin said:

    Olá, Camila.

    É isso aí, vamos tentar e errar a partir de agora, não amanhã e nem depois! 🙂

    Abraços,

    Denise

  3. Edison said:

    Dê, muito bom o seu post. Inspirador.
    Me fez refletir em algumas questões pessoais e profissionais.

    É muito bom como uma coisa simples como um filme pode nos motivar e inspirar a produzir um conteúdo de qualidade capaz de gerar reflexão.

    Abraços.

  4. admin said:

    Oi, Edison,

    É melhor ainda quando nos damos conta de que está tudo dentro de nós. E que um simples filme pode apenas nos lembrar daquilo que já temos. 🙂

    Abraços!