Jornada do Aprender

por Gustavo Bittencourt:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Olá!

Temos falado cada vez mais em educação. Escolas, universidades e institutos criam cursos de diversos temas, profissionais e estudantes procuram reciclar conceitos e se preparam para um mercado que é cada vez mais competitivo. Diversas iniciativas interessantes têm sido feitas para fomentar esse cenário.

Aprender nas salas de aula é indispensável e a figura do mestre é única, mas as pessoas mais brilhantes conseguem extrapolar isso, aprendem com as coisas que experimentam. Essa perspectiva não é nenhuma novidade, mas conseguir aprender dessa forma é um grande exercício.

Um dos motivos dessa dificuldade é que não prestamos atenção em tudo que experimentamos, ainda bem que não na verdade. Somos expostos a diversos estímulos diariamente e passamos pela maior parte deles sem prestar muita atenção, em uma espécie de “stand by mode”. É impossível mudar essa comportamento do cérebro, mas passar a prestar mais atenção nas coisas que acontecem ao redor e fazer conexões dessas coisas com os nossos interesses é uma ótima oportunidade.

Um bom exemplo de como dá para aumentar essa percepção tem acontecido comigo. Estou lendo um livro muito interessante que fala sobre leitura corporal e que foi escrito por um ex funcionário da CIA (What Every Body is Saying – Joe Navarro). Quando nos comunicamos com alguém, a menor parte da mensagem vem das palavras, o livro fala exatamente disso. Micro expressões faciais, gestos, comportamentos pacificadores e diversos detalhes do nosso corpo passam a maior parte do conteúdo. Exercitar o conhecimento que esse livro passa aumentou imensamente a minha percepção das situações e coisas que antes passavam despercebidas, conhecimento é capacidade de diferenciar.

Mas o que para mim é o maior impeditivo de um aprendizado mais fluido é o preconceito. Poucas coisas são consideradas “dignas de aprendizado”. Se você quiser aprender alguma coisa com um filme, deve assistir a algum de origem francesa ou israelense, afinal o que tem de importante e relevante em um blockbuster americano? Quer ver um programa na televisão que realmente te acrescente alguma coisa, o lugar certo é a tv a cabo, especialmente em canais como History ou Discovery Chanel, e por aí vai.

Eu acredito muito que pessoas que não tem esse preconceito conseguem aprender mais, pense no comportamento psicológico das pessoas que participam de reality shows, da forma com que os filmes que se destinam a falar com as multidões constroem seu storytelling e seus efeitos rebuscados, da para tirar muita coisa interessante de quase tudo, claro que cada um com seus interesses específicos.

Uma forma de validar esse raciocínio é pensar no comportamento de algumas pessoas, Steve Jobs (sempre ele) antes de ser o fundador da Apple, NeXT e Pixar morava com um homossexual, em uma época de preconceito gigantesco, coincidência? Não! Capacidade que ele demonstrava desde cedo de pegar o pensamento comum e raciocinar em cima dele e gerar um novo pontos de vista. O exemplo parece muito distantes, mas a raiz está no mesmo lugar.

O caminho para trabalhar com o que ama ou para ganhar dinheiro é único, aprender muito e sempre. E como não podemos estar em uma sala de aula ou ‘estudando’ todo o tempo,  um bom caminho é prestar mais atenção nas coisas cotidianas e, principalmente ser menos preconceituoso.

Obrigado!

@gus_bittencourt

1 comment
  1. Realmente Gustavo, buscar perceber muito mais do que passa em frente nossos olhos tem se tornado uma tarefa que demanda investimento. Com tanta informação disponível e interessante, selecionar é realmente necessário. Valeu pelo encorajamento!